Deslocou o ombro? Saiba quais são cuidados médicos

Segundo revisão de literatura, publicada no Journal of the American Academy of Orthopaedic Surgeons (JAAOS), um rápido e adequado tratamento para um ombro deslocado pode minimizar o risco de deslocamentos futuros, bem como os efeitos relacionados às lesões ósseas, musculares e nervosas.

De acordo com os dados do estudo:

· 40% dos pacientes com luxação de ombro tem uma lesão estrutural (ligamento ou músculo) associada;

· Um em cada três pacientes com luxação de ombro também tem uma ruptura dos músculos do manguito rotador;

· Homens com idades entre 10-20 anos têm a maior taxa de luxação de ombro;

· Luxações recorrentes são mais prováveis de ocorrer em um prazo de até dois anos após o deslocamento inicial, mais frequentemente em pacientes com menos de 20 anos;

· Seis em cada dez dos pacientes mais jovens (abaixo de 20 anos) desenvolveram instabilidade no ombro ao longo de dois anos. E sete em cada dez desenvolveu instabilidade em até cinco anos, depois do trauma inicial;

· Os homens são mais propensos a ter instabilidade recorrente na sequência de uma luxação do ombro do que as mulheres.

“O ombro tem a maior amplitude de movimento entre as articulações do corpo humano e é o local mais comum para um deslocamento total ou parcial. Luxações de ombro são classificadas como ‘traumáticas’ ou ‘atraumáticas’. Até 96% dos deslocamentos são traumáticos e ocorrem mais frequentemente durante a prática de esportes de contato ou quando alguém cai com uma mão estendida. Já as luxações atraumáticas ocorrem quando o ombro começa a escorregar parcialmente para fora – sem a ocorrência de trauma – o que pode ocorrer em pessoas com uma grande elasticidade”, explica o ortopedista Caio Gonçalves de Souza (CRM-SP 87.701), médico do Hospital das Clínicas de São Paulo.

Em 2011, o deslocamento de ombro foi motivo de 175.641 atendimentos de urgência nos EUA, embora alguns pacientes optem por colocar o ombro no lugar sem qualquer assistência médica. “Não recomendamos que os pacientes recoloquem o ombro no lugar sozinhos ou com a ajuda de outra pessoa que não seja um ortopedista. É necessária atenção médica imediata e apropriada para um ombro deslocado, o que exige imagens radiográficas antes e depois da redução (reposição do ombro) para verificar se há fraturas relacionadas e outras lesões musculoesqueléticas. A causa da lesão, a presença de uma fratura associada ou lesão de nervo são fatores que podem atrapalhar a boa recuperação do paciente”, alerta o médico.

Caio G. Souza, que também é professor de Ortopedia na Faculdade de Medicina da Uninove, explica que “deslocamentos de ombro agudos podem ser geridos de forma eficaz por manobras de redução não cirúrgicas. Há várias técnicas de redução disponíveis para colocar o ombro no lugar. Um profundo conhecimento dessas técnicas de redução, bem como o emprego de estratégias de imobilização e de reabilitação podem tratar com sucesso as luxações de ombro, evitando a necessidade de uma cirurgia. Diante da complexidade do problema e do tratamento, não é recomendável que o paciente não busque ajuda médica”.

Casos de deslocamento de ombro

Segundo o ortopedista, nos casos de deslocamento de ombro, a pessoa deve:

· Procurar imediatamente atendimento de emergência em Ortopedia. No mais tardar, esse atendimento deve ser feito no prazo de uma semana após a lesão, para garantir o melhor diagnóstico e tratamento possíveis;

· Ser monitorada para possíveis danos nos nervos, antes e depois da redução;

· Uma vez que os ligamentos cicatrizem, um acompanhamento apropriado é necessário para reabilitar a lesão e para evitar o congelamento do ombro (perda da movimentação do ombro). Entre os idosos, a fraqueza persistente no ombro deve ser verificada para uma possível intervenção cirúrgica no manguito rotador.

 

Posted in Notícias and tagged , , , , .

2 Comments

  1. Eu tenho 62 anos de idade e a aproximadamente UM MÊS E MEIO sofri um acidente de moto onde o meu ombro esquerdo se deslocou e houve fissura em um dos ligamentos do bíceps e outros. Na ressonância prevê segundo o médico CIRURGIA, mas como estou movendo normalmente o braço e sinto uma dorzinha quando me deito a noite, o médico me recomendou FISIOTERAPIA e caso esta dor não vá embora fazer a cirurgia…

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *